in Cartas abertas, Escrita

Carroça na frente dos bois

Público. Há algumas semanas penso a respeito desse assunto. Natural, faço vídeos para a internet, escrevo, produzo conteúdo… Quero ver algum resultado disso tudo. Pra falar a verdade, o que notei é que eu estava colocando a carroça na frente dos bois.

A discussão aqui cai no mesmo buraco do “o dele é maior que o meu”. Pura insegurança, já diz meu consciente. Reconheço que tenho uma grande dificuldade em manter as pessoas por perto. Em contrapartida, a minha habilidade de cativar alguém é igualmente enorme. Pequeno Príncipe ficaria com inveja. Posso falar? A impressão que tenho é que elas se interessam pelo que faço, pelo que sou e mostro ser – justamente por causa dessa minha facilidade (humildade, cadê?) –, e tão rápido quanto chegam, se vão. Por quê? O interesse acaba. Paro de ser cativante, minhas piadas perdem a graça, os vídeos deixam de ser legais. É complicado… e bobo.

Ok, Luan, a vida é assim, as pessoas vem e vão muito rápido. O conteúdo enjoa, programas melhores e mais novos aparecem… Eu sei, eu sei. Neuroses.

tunel by Juan Pedro Hernandez on 500px.comtunel by Juan Pedro Hernandez

Porém, também notei uma coisa legal que está acontecendo comigo. Consequência da observação de um escritor que gosto muito. Por ainda ser uma fase de transição, está tudo confuso. Mas já consigo ver o final do túnel com uma certa nitidez.

A questão qualidade versus quantidade. Claro que quero meu canal no YouTube com milhares de inscritos, foco nisso todos os dias. Leio tanto quanto posso, tento fazer vídeos bacanas sem destoar do que acredito e da estrutura que pensei para o Show do Luan. Mas ai que a coisa começou a mudar. Comecei a trabalhar mais para ter espectadores participativos, que tragam discussões nos comentários e propostas de livros que não conheço. Quero receber um e-mail de um novo leitor apaixonado pelo livro que acabou conhecendo no meu último vídeo. Visualizações com conteúdo.

O difícil está sendo convencer o inconsciente de que aquele número de inscritos, crescendo vagarosamente – sabe aquela regra de que a fila do lado vai mais rápido? O canal do vizinho cresce mais rápido – é menos importante do que aquele espectador participativo. Ou aquela mensagem no Facebook dando feedbacks bacanas.

Junto com o crescimento acelerado que as vezes quero, viriam problemas, expectativas de vídeos maiores e mais elaborados. Viriam as cobranças mais intensas, a ansiedade causada pelo livro da semana ainda estar pela metade. A naturalidade acabaria e o Show do Luan, se continuasse, se tornaria uma máquina. Isso, do dia para a noite, causaria um estresse danado! O botão “excluir esse canal” se tornaria atrativo.

A carroça na frente dos bois. Cavalos são mais rápidos, eu deveria saber disso! Brincadeira. Tudo tem seu tempo quando se faz algo bacana. Avaliar meu trabalho é difícil para mim, mas já tenho uma noção de tudo e acredito que estou fazendo algo legal. O mesmo vale para a minha escrita. Se a hora não chegar, sempre haverá um grupo seleto de bonecos que estará disposto a assistir aos vídeos ou a escutar as minhas histórias. O que não vale é desistir.

  • Fellipe Leal

    “O que não vale é desistir.”

    Ficou gravado, e você tem total razão. Continue Luan!
    Estou te acompanhando.

    Abraço!