in Cartas abertas

Relacionamento

É estranho pensar em falar sobre relacionamentos sem nunca ter namorado. Não que eu me importe com o nunca. Há formas diversas de se aproveitar a companhia de alguém que não se resumem nessa palavra: namoro.

Amizade. Carrega um peso que reencontrei recentemente no meio de tantos amigos virtuais. E bem, o post é sobre isso.

Dizem que a quantidade de amigos que temos é igual a quantidade de dedos de uma mão. Eu podia fazer uma piadinha infame sobre isso. Até agora, essa teoria é verdadeira.

Amizade pra mim é ter a leveza de mostrar como se é. Coragem para compartilhar o que sente. Mostrar o que atormenta. Fazer isso pode não ser fácil, mas ter a certeza de que não será julgado traz a sensação de alivio que a mente precisa. Às vezes me sinto perdido e os pensamentos me confundem. Nessas horas, soltar um texto para várias pessoas, nas redes sociais, é mais cômodo do que olhar nos olhos de uma e abrir o coração.

Amizade é entender a personalidade de outra pessoa e a forma como ela transforma a sua companhia em bem estar. O jeito que ela usa para demonstrar confiança. As histórias que conta. Os sinais que te guiam e permitem mergulhar e explorar o passado, as cicatrizes que a pele não mostra.

Cada pessoa desperta em você sentimentos diferentes. É normal. Entender os sentimentos é que pode ser complicado.

Já me peguei nutrindo ciúmes. Bichinho que vai se instalando, plantando ideias irreais e incita ações infantis achando que são justificadas. Já me peguei sendo presente demais, por pura insegurança. Mandando mensagens demais achando que, se não o fizesse, a relação perderia força. Já me peguei torcendo para ganhar sobrenome e virar colorida.

Amizade está implícita em namoro, mas não se faz presente em todos os tipos de relações. E já deixei possibilidades de namoro morrer por medo de perder a amizade.

Que não ignoremos o que ela significa e a importância que carrega. Que se permita seguir o caminho, transformando-se em algo mais se houver a oportunidade. Que traga comprometimento e cumplicidade. Quem sabe também uma sincronicidade divertida de pensamentos. Que não seja limitada e vazia.

  • Allison

    casa comigo. obg