in Contos e Crônicas

Faz falta

Sinto falta de quem eu era quando estava com você. De como minha pele respondia ao toque dos seus dedos, o arrepio induzido por um desejo crescente. As batidas no peito alterando o compasso por ter você mais perto, acelerando o ritmo pedindo por uma nova música.

Faz falta ter o contato diário de quem éramos, as gargalhadas de quem fomos e os sonhos de quem poderíamos nos tornar. De como o espaço na calça diminuía quando meus lábios tocavam os seus. Do calor no abraço apertado, da leveza pela roupa tirada uma por vez.

Sinto saudade de como o reflexo do meu sorriso tomava forma ao imaginar o seu. De como aquela imagem ganhava diferentes tons, mesmo sendo igual todos os dias. Do como meus sentidos eram alterados, ampliados e estimulados. Do prazer de ser enganado pelo cérebro e suas químicas ilusões.

Faz falta esquecer a existência do vazio, a sensação de não pertencer ou se encaixar. De anular as impossibilidades e sentir o peso do mundo cada vez menor. Tenho saudade da facilidade de ser quem eu era e de não fazer esforço para seguir em movimento, explorando as possibilidades do era uma vez.

Gostou desse texto? Ajude compartilhando nas redes sociais.
Você pode assinar minha newsletter também. Saiba mais clicando aqui.

Imagem: Counterclock