in Contos e Crônicas

Era uma vez

Era uma vez um menino solitário
Postura torta e coração machucado
Mantendo no interior da mente
As coisas que não conseguia ter

Um olhar apaixonado
Um sorriso encantado
Alguns abraços apertados
Que d’tão intensos
Juntariam tudo aquilo
Q’lá dentro permanecia
Quebrado e isolado

Braços cruzados rosto fechado
Seguia caminhando sem rumo
Esbarrando perdido em quem
Como ele não encontrava uma maneira
De permanecer próximo a alguém

Um olá abafado beijo soprado
Produzindo o alivio camuflado
Regado de vazio crescente
Por não ser quem precisava ser

Era uma vez um menino
Que não sabia o que queria
Mas que de alguma forma
Tropeçava em quase tudo
Aquilo que precisava.

Gostou desse texto? Ajude compartilhando nas redes sociais.
Você pode assinar minha newsletter também. Saiba mais clicando aqui.