in Cartas abertas

Minha tatuagem

Já se passaram 6 meses. Eu rio pensando no processo, mesmo sabendo que faltava só um pouquinho pra gritar durante a seção. Poxa, dá um desconto! Os nervinhos estão ali bem perto da pele. Era a tatuadora me riscando em um pulso e eu mordendo o outro pra tentar, de alguma forma, transferir a atenção pra outro lugar. No final, saí com um inchado e o outro mordido.

Há algumas semanas, soltei um vídeo falando sobre depressão. Lá, acabei comentando sobre minha tatuagem, mas estou com a sensação de que não falei tudo o que queria sobre ela. Por isso esse post existe. Mesmo que ele só seja importante pra mim, talvez você se interesse um pouquinho.

Eu já via essa tatuagem antes mesmo dela estar fora da minha mente. É engraçado pensar nisso. Ela já existia sem mesmo existir. Por isso, não tive um período de estranhamento nas primeiras semanas. Talvez, o que tenha me ajudado nisso foram os meses de planejamento e a vontade acumulando, decidindo cada detalhe e explorando uma melhor forma de encaixar em um lugar tão visível. E tudo nela tem um significado. Tudo.

A frase, Make It Real (Torne Isso Real), traduz a necessidade de trazer os problemas para a realidade para que possamos dar um jeito neles. O primeiro passo é sempre sair da negação. Tornando as coisas reais, temos ferramentas pra lutar contra elas.

A tipografia. Lembra máquina de datilografia, que sou apaixonado. E, me remete à escrita, que é o jeitinho que tenho para transformar tudo em realidade. Através dos contos e crônicas, vou passando pro papel todas aquelas sombras que, antes, ficavam presas dentro da cabeça.

Por que aquarela? Acho mais bonita do que tatuagens com contornos tradicionais. Sem contar que, com essa técnica, há essas “nuvens” sem forma definida. Elas representam os sentimentos. E, bem, sentimento não tem forma.

As cores. Você assistiu Divertida Mente? Acho que agora você sacou tudo. O amarelo representa a Alegria, e o azul, a Tristeza. Elas se tocam em determinados lugares e representam a necessidade de um equilíbrio. Minha versão do Yin Yang. Está vendo aquele espaço vazio onde as letras “a” e “r” estão? Aquilo ali sou eu. O Eu entre dois sentimentos que lutam pra, de alguma forma, tentar encontrar um equilíbrio.

Essa é a minha tatuagem.

Gostou desse texto? Ajude compartilhando nas redes sociais.
Você pode assinar minha newsletter também. Saiba mais clicando aqui.