Por favor

Quando for entrar, tire os sapatos. Deixe a sujeira do lado de fora e sĂł traga os caminhos pelos quais seus pĂ©s passaram. Me mostre as experiĂȘncias guardadas na mochila. Aos poucos, me deixe expor as cicatrizes talhadas no peito. Ria comigo transformando as sombras em ecos insignificantes.

Continue reading

Rachaduras

“Eu sou gay.” Era isso o que Henrique queria ter dito durante a discussĂŁo com a mĂŁe no carro. Enquanto ouvia as palavras “quando vocĂȘ vai nos apresentar uma namorada?” e respondia com um “nĂŁo vou”. Sentia tremer as camadas de mentira que mantinham uma imagem diferente para os outros. NinguĂ©m se explica quando se Ă© hetero. NinguĂ©m deveria se preocupar com quem a outra pessoa vai amar. O problema estava em achar que heterossexuais amam e homossexuais fazem sacanagem.

Continue reading